ÚLTIMAS NOTICIAS >>

10/recent/ticker-posts

Justiça decreta prisão preventiva de advogada que furtou R$ 1000 em picanha


Mulher passou por audiência de custódia na quinta-feira (24) e foi mantida presa após ser flagrada cometendo o mesmo crime pela segunda vez em menos de um mês

A advogada paraibana de 40 anos que foi presa na tarde de quarta-feira (23) após furtar peças de carne de uma rede de supermercados de Natal deve continuar presa preventivamente, segundo decidiu o juiz Diego Costa Pinto Dantas, que presidiu a audiência de custódia na quinta-feira (24).

Na decisão publicada após a audiência, o magistrado considerou que a prisão preventiva visava a garantia da ordem pública e seria necessária “diante da periculosidade da autuada”, evidenciada pelo fato de ela ser reincidente no crime. As informações são do g1.

Segundo consta no processo, a mulher foi presa em flagrante pelo mesmo crime no dia 3 de fevereiro deste ano, 20 dias antes da atual prisão, mas tinha sido liberada para responder em liberdade após pagamento de fiança.

Na nova prisão, os policiais militares e civis informaram que as peças de carne furtadas eram de picanha – um corte nobre – e foram avaliadas em cerca de R$ 1 mil. A mulher teria passado por três lojas de uma mesma rede varejista.

No relatório, o juiz aponta que somente do supermercado onde a mulher foi presa, os produtos encontrados com ela custavam cerca de R$ 490.

“De acordo com os autos, a acusada teria sido flagrada, através do sistema de vigilância eletrônico, subtraindo produtos de um supermercado, cuja quantia totaliza cerca de R$ 490,00, tendo sida detida no estacionamento do estabelecimento, logo após tentar sair do local sem efetuar o pagamento da mercadoria”, relatou o magistrado.

Ainda segundo o relatório, os demais produtos foram encontrados pelos policiais militares e vigilantes da loja dentro do carro da mulher, após a abordagem.

Na decisão sobre a prisão em flagrante o juiz determinou que a Secretaria de Administração Penitenciária mantenha a mulher custodiada em local “condizente com a prerrogativa” de advogada.

Até esta quinta-feira (24), ela estava detida no quartel da Polícia Militar. A reportagem procurou a Seap para questionar onde a mulher ficou detida, mas não houve resposta sobre o assunto até a última atualização desta matéria.

Fonte : Portal Viu

Postar um comentário

0 Comentários